Notícias

Exposição: "Anca Gavris"

 

Crédito não informado

 


Arte na natureza e a natureza da arte.

Jacob Klintowitz

 

Anca Gavris identifica formas artísticas na natureza. O seu olhar observa reflexos de luz, combinações cromáticas, sombras iluminadas, desenhos estruturais, símbolos, situações intermediárias na passagem da vida para a morte. A artista vê o detalhe no geral, a linguagem humana no silvestre. Ela recorta da natureza cores e ritmos que lhe parecem dotados de existência própria. E são estas visões que ela fotografa e organiza em séries que classifica com nomes próprios.


A sua fotografia tem um vínculo direto com o motivo, o assunto está evidenciado, não há qualquer dúvida de que ela partiu do movimento das águas, das flores, da chuva sobre a terra. Ainda que, em alguns casos, a imagem seja fluída, ela está marcada pelo nascimento e não é difícil sentir o jardim, a mata, o rio, a cidade molhada. Entretanto, este assunto manifesto e vinculado ao primeiro foco do olhar, não é a origem destas formas.


Ao observarmos o outro vetor de sua criação visual, a pintura, encontramos um método semelhante ao da fotografia. É sempre a natureza transformada em linguagem e arte. É por esta razão que a sua pintura nos lembra, muitas vezes, o universo cambiável do Impressionismo. Universo desenhado pela luz. Corpos revelados pela luz ou obscurecidos pela sombra. No caso de Anca Gavris, como ela observa o mundo ao seu redor e dele extrai o seu entendimento, o seu recorte é igualmente o de uma estrutura em movimento.


A origem de seu trabalho, tanto a fotografia, quanto a pintura, é a sua concepção de real como mutação, e da natureza da arte como cor e movimento. Anca Gavris faz recortes da natureza segundo o seu prévio conceito. Desta maneira, o resto da chuva sobre a pétala da rosa vivificado pelo sol corresponde à sua sensação do movimento e da fascinação que o precário equilíbrio entre estados diferentes da matéria exercem. Nesta estrutura de formas mutáveis, de passagens e transições, nesta fimbria onde a vida encontra a morte, neste ponto imensurável onde convivem o vir a ser e a extinção, situa-se a percepção de Anca Gavris, uma sensível personalidade artística que concebe o universo em movimento ondulatório e dele guarda e registra esta intuição, a de que tudo pertence a mesma malha estrutural e que dela vale apenas aquilo que nos reflete e revela.

 

 


 






BANNER

BANNER

BANNER

BANNER

Leilões

Aguardando nova data...


Desenvolvido por Absoluta Internet - Tel. (21) 2513-3735 - leonardo@investarte.com